• Super Sequência

    12/12/2017

  • Sertanejo Aleatório

    12/12/2017

  • Gilson Prates

    12/12/2017

  • Elielton Silva

    12/12/2017

    Rádio Rio Pardo FM

    Obrigado por ouvir a 87.9 MHz

    É diferente! É legal... É Rio Pardo no rádio

  • Jonas Francisco

    12/12/2017

  • Agnaldo Pereira

    12/12/2017

  • Felicíssimo Tiago

    12/12/2017

  • Na Mira dos Tiras

    12/12/2017

  • A Voz do Brasil

    12/12/2017

  • Super Sequência

    12/12/2017

  • Seleção Romanticas

    12/12/2017

Projeto Bem Diverso: A metodologia de recuperação de áreas degrada a partir do plantio direto

Um projeto que vem dar esperança na recuperação do cerrado coordenado pela EMBRAPA com objetivo de recuperar as áreas que foram degradadas pelas empresas monocultoras, que provocaram a extinção de plantas e frutos desse bioma que agoniza frente ao modelo predatório de desenvolvimento empreendido e apoiado na região pelo Estado.

O projeto desperta a esperança de recuperação das áreas de cabeceiras das nascentes com plantios de sementes recolhidas dos exemplares das poucas espécies que ainda restam no local.

Neste processo a primeira etapa é a sensibilização e mobilização da comunidade, em seguida o recolhimento das sementes, que depois passa por uma seleção. Ações buscam recuperar o equilíbrio (SOLO-AGUA-PLANTA), fundamental para o equilíbrio hidrológico da região. O interessante é que esse processo é feito com as próprias comunidades.

A primeira comunidade a ser beneficiada do Norte de Minas é a comunidade Geraizeira de SÃO MODESTO que fica entre os municípios de Montezuma e Rio Pardo de Minas.

Desde o mês de setembro iniciou as atividade de recuperação a partir do método de plantio direto, que vem sendo acompanhado pelos técnicos da EMBRAPA com participação ativa dos moradores da comunidade. Como estratégia de irradiação outras comunidades Geraizeiras vêm sendo estimuladas participar, além da inclusão dos alunos da EFA – Nova Esperança, uma escola família agrícola que atendo filhos de agricultores de todo território do alto rio pardo.

Este projeto demonstra que é possível desenvolver ações integradas entre agricultores e técnicos em prol das águas e do cerrado.

Para o pesquisador da EMBRAPA, um dos coordenadores do projeto, Dr. Anderson Sevilha, o mais importante em tudo isso é a aceitação das comunidades envolvidas nesse projeto tão significativo. Segundo o pesquisador, em um prazo de 5 (cinco) anos seguramente já veremos os primeiros resultados.

Fotos e Reportagem: Felicíssimo Tiago